2000 e tudo diferente

Minha vó, uma mulher muito observadora, sempre me disse: no meu tempo que era bom. Ainda completa dizendo como as crianças aproveitavam a infância e compara como eram as coisas “de primeiro” e agora. Sim, ela diz que a infância e a juventude dela é um tempo conhecido como “de primeiro”, como se o mundo tivesse começado com o nascimento dela. O fato é que acho que estou envelhecendo mais rápido do que esperava porque já estou praticando esse esporte típico de vó: comparar o ontem e o hoje.

Às vezes me pego pensando em como era a minha vida tempos atrás, o tanto de coisa que mudou em um curto espaço de tempo. Não vou ficar atacando os tempos atuais dizendo que agora tudo é uma porcaria (eu gosto de você tá, tecnologia? Não me abandone jamais!), mas o meu “de primeiro” também foi uma época feliz, com mais cara ao sol e um pouco menos de tecnologia que hoje.

Depois de tanto lembrar sozinha sobre algumas dessas diferenças resolvi compartilhar essas nostalgias todas por aqui, quem sabe mais alguém não queira acompanhar esse papo de gente velha e se jogar em um passado não tão distante junto comigo:

– Alugar filme na locadora e rebobinar antes de devolver
Tinha filme que você podia alugar na sexta e só devolver no domingo, mas dificilmente você conseguiria isso com lançamentos. Além disso, você tinha que torcer para que o filme que você quisesse ver estivesse disponível, caso contrário você teria que esperar até que o devolvessem (e sabe-se lá quando isso aconteceria). Enquanto isso o jeito seria procurar outro título entre as prateleiras para que você não saísse da locadora de mãos abanando. Outro fato sobre o tópico locadora é que antes de devolver os filmes não podíamos esquecer de rebobiná-lo, senão corríamos o risco de pagar multa – mesmo eu achando que esse lance de multa era uma lenda urbana, já que vez ou outra quando ia assistir um filme alugado já estavam passando os créditos finais.

Às vezes dava merda ¯\_(ツ)_/¯

– Esperar a semana inteira pelo filme que passaria na TV
Naquela época não tinha Netflix e não tinha download ilegal, mas tinha filme na TV aberta. Além dos clássicos imperdíveis que passavam durante as tardes eu também gostava de assistir os filmes que passavam sexta a noite no SBT, era como se fosse dada a largada para o final de semana. Tinha todo o ritual de preparar a pipoca, colocar um pijama e esperar por algum filme que eu ainda não tivesse visto. Hoje nada disso faz sentido já que os filmes que passam na TV muitas vezes já foram vistos, além de serem todos picotados pra caber na programação (só hoje eu sei disso 😦 ).

– Comprar revistas
Para saber notícias da sua banda favorita, ler matérias sobre comportamento, saber sobre os programas de TV que você gosta, ler seu horóscopo e fazer testes pra saber se o gatinho da escola tá afim de você, só comprando revista. Nada de internet, nada informação fácil, nada de ler notícias específicas, você comprava uma revista e lia sobre um monte de coisas diferentes. Você comprava uma revista porque tinha um pôster de Sandy e Junior (ou insira aqui seu artista preferido da época) e ganhava um monte de informações extras como “Como ser popular?”.

– Música: da rádio para sua seleção exclusiva em fita cassete
Para escutar as músicas que você curtia ou você comprava o disco/fita/cd ou você esperava pacientemente ela tocar na rádio para gravar em uma fita e ouvir quando quisesse. A segunda opção era sempre mais divertida, afinal, você podia criar várias fitas com temas específicos. Nesse processo algumas coisas podiam dar errado como no meio da música você ouvir alguma vinheta da rádio ou acabar o lado da fita no meio da gravação, aí você tinha que tentar voltar a fita no tempo certo pra depois regravar.

– Trabalho da escola feito na biblioteca e longe do computador
Em papel almaço, com letra bonita e canetinha colorida. Como se não bastasse o trabalho de pesquisar em um dos livros cheios de pó e rabiscos da pessoa que retirou o livro antes de você, você ainda precisa escrever páginas e mais páginas a mão, além de xerocar imagens para recortar e colar no trabalho. Isso até era divertido, o difícil de fazer trabalho em grupo na biblioteca era “fazer silêncio” ou no máximo “falar baixinho”.

– Enviar e receber cartinhas das amigas
Teve uma época da minha vida que eu e algumas amigas conversávamos por carta! Comprávamos envelope, pegávamos um papel bonito, escrevíamos várias páginas contando qualquer coisa sobre a vida, colocávamos no correio e depois esperávamos ansiosas pela resposta. Tá certo que as notícias não eram tão instantâneas como hoje, mas era muito mais divertido. Hoje em dia só recebo conta pra pagar! 😦

– Fotos reveladas e sem selfies
É difícil imaginar que há pouco tempo a gente comprava filmes de até 36 poses para fotografar. E só em dias/eventos especiais. Hoje só em uma ida ao banheiro você tira o triplo de fotos disso. Antes tinha toda uma emoção de você não saber como sairiam as fotos que você tirou, não dava pra ter certeza se a luz estava boa, se alguém piscou com o flash, se a foto queimou ou até se você não colocou o dedo na frente. Isso sem contar as vezes que você comprou o filme e esqueceu de colocar na máquina. Você só percebia isso quando era tarde demais. #truestory

Só não pode esquecer de colocar o filme na máquina, ok?

Agora quero saber, quais as lembranças do “de primeiro” de vocês?

 

Anúncios

8 comentários sobre “2000 e tudo diferente

  1. Que post mais gostosinho. Adoro esses momentos nostálgicos, e olha que nós morávamos ao lado de uma videolocadora então eu entendo super bem essa tua questão de rebobinar fitas, alugar na sexta e devolver no domingo… As coisas estão um milhão de vezes mais acessíveis, hoje em dia, e em vez de nos programarmos pra sentar na frente da TV quando a emissora começasse o filme, agora nós é que decidimos o momento em que isso vai acontecer. E embora eu adorasse assistir TV de madrugada, acho que essa facilidade conquistada eu não abriria mão. Mas dessa lista, tem uma coisa que sinto muita falta e ainda sou super a favor. Das câmeras analógicas. Além da emoção de ver todo o filme revelado, sempre tinham fotos nos álbuns e porta retratos. Quem é que revela foto hoje, gente? Acho que só eu kkkkk. E pessoas mais antigas são bem assim mesmo, né? No tempo deles tudo era melhor kkkkk. Beijos!

    • Bate uma saudade de algumas coisas, mas ainda sou totalmente a favor da tecnologia! hahahaha Agora que você falou sobre revelar foto me lembrei que comprei porta retrato e não revelei foto nenhuma! 😦

  2. Quanta saudade e quantas lembranças que o “de primeiro” me deixou. Tudo isso que voce citou e muito mais. E o melhor de tudo, é que eu pude viver essa e muitas outras histórias junto com minhas duas princesas, exceto claro, as cartinhas e outros “segredos” que mãe nenhuma tem acesso. Muito bom saber que o “de primeiro” deixou saudades pra voce também. Te amo em todos os tempos !

  3. Nossa, anos 2000 me da cá um abraço! Melhor época!
    Só consegui me desapegar das locadoras ano passado, e só pq a que tinha perto de casa fechou. Por sorte eles venderam os filmes antigos e eu comprei alguns hahahahaa.
    Das fitas cassetes, tinha várias dessas gravadas em rádio. Pior que vc ouvia tanto aquilo que as vinhetas começavam a fazer parte da música, e aí, mesmo qnd vc tava ouvindo da fita original, acabava cantando “jovem pan…” hahaha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s