Das merdas mudanças capilares ao longo da vida

(senta que lá vem história…)

Dizem que a sinceridade é a base de qualquer relacionamento, então vou ser bem sincera com vocês (na verdade sou eu que tô dizendo isso porque achei que era uma boa maneira de começar um texto): Eu não sou loira de verdade. Nem um pouquinho. Nem meio loira, nem mesmo um castanho claro que com a luz certa lembra um tom de loiro.

Como vocês podem perceber: sou morena de nascimento. Não morena bronzeada da cor do pecado, mas cabelo castanho coisa e tal. Fiquem tranquilos, não pretendo falar sobre todo o trabalhoso processo que é fazer e manter esse cabelo ~dourado~platinado~sedução~, afinal, isso não é um blog de beleza (e eu também não faço ideia de como fazer isso corretamente). O que eu vou contar é sobre a facilidade que é fazer uma merda só porque quer dar uma mudada de leve no visual e também do trabalho que dá esse lance de querer ser uma coisa que a gente não é.

Na minha primeira grande burrada capilar eu devia ter uns 10 anos, tinha decidido fazer uma mecha loira no cabelo. Sabe o cabelo da Geri das Spice Girls? Então, eu queria tipo aquilo, mas ficou podre e sem o ruivo. Era moda na escola e eu era maria vai com as outras. De alguma maneira que não sei como convenci minha mãe a passar blondor na minha franja. Sim, ela não só deixou eu fazer isso como também fez o trabalho sujo pra mim.

Como a vida é boa e justa o cabelo cresceu e voltei a ser totalmente morena… Até algum momento da adolescência que resolvi que ia pintar o cabelo de vermelho. Como eu era meio cagona com esse negócio de tinta resolvi que um tonalizante dava conta. Escolhi um vermelho intenso. UAU. Vermelho. Intenso. Só que, claro, a cor mal pegou no meu cabelo. Ironicamente parece que os tons avermelhados ficaram mais visíveis quando tentei sair dele, passava um tom de castanho e ela desbotava e ficava avermelhado.

Novamente a vida foi boa comigo e meu cabelo voltou ao castanho… Até que um dia decidi ser loira. Olha, posso dizer que foi uma merda que eu gostei de ter feito, gostei mesmo de ser loira, o problema é que o processo para chegar ao loiro era trabalhoso e chato.

Quem pretende um dia mudar a cor do cabelo precisa ter em mente algumas coisas. Primeiro é que realmente dá trabalho mudar o status do cabelo de moreno para loiro. Segundo, você sempre terá que ter 3 coisas: dinheiro, tempo e paciência. Terceiro, se você vai ao salão é preciso saber que será uma tarde inteira que resultará em uma terrível dor no pescoço.

Eu não consigo acreditar que alguém realmente goste de ir ao salão. Não me levem a mal, eu gosto muito das minhas cabeleireiras, são lyndas & poderosas, mas um salão não é confortável, as revistas têm notícias sobre pessoas que ninguém ouviu falar e as conversas… Ah, as conversas! São sempre sobre coisas aleatórias. Uma vez começaram uma conversa sobre sabão em pó que até hoje tento entender como um pozinho colorido-cheiroso pode ser tão empolgante. Nem o Google sabe a resposta pra isso.

Sabão em pó: Um belo tema de conversa para salões ~de beleza~

Depois de quase 5 anos desse ritual decidi que estava dando muito trabalho e quis mudar. Achei que era hora de voltar para cor natural, cuidar do cabelo e me dedicar a outras coisas. Então o que eu fiz? Isso mesmo, aproveitei que tinha um resto de loiro no cabelo e pensei: por que não tentar o ruivo? Ideia de gênio. Além de dar uma mudada no visual seria mais fácil de fazer e cuidar, certo? HAHAHAHA risosrisosrisos

O problema da saga ruiva começa com a dificuldade em achar a tinta, você só encontra na internet e com o preço do frete mais caro que o próprio produto. Sério. Mesmo assim fui lá toda serelepe para o salão pensando que voltaria meio que Marina Ruy Barbosa, meio Sophia Abrahão pra casa e… CUÉÉÉM. Se colocassem uma luz estrategicamente posicionada você conseguiria ver alguns tons de ruivo, mas era só isso.

Como meu cabelo tava na sofrência das tintas decidi que ia cuidar um pouco dele. Investir em cremes coisa e tal. Li sobre ampolas para hidratar cabelo e, como o meu estava uma bosta, resolvi tentar. Fiz tudo como indicava a embalagem, sai do banho achando que meus cabelos estariam sedosos como em propaganda de shampoo, mas a verdade, meus amigos, é que a realidade é sempre diferente da expectativa. Quando fui secar meu cabelo fiquei meia hora com o vento quente na cara até perceber que meu cabelo não tinha secado nem um pouquinho. Levei MEIA HORA pra perceber isso.

Expectativa x Realidade Parte II: Mirei no ruivo a cara da riqueza, mas acertei no loiro espigado

Aí me dei conta que: meu cabelo era puro óleo. Como estava atrasada sai de casa com o cabelo molhado mesmo e, qualquer coisa, se alguém me perguntasse, era só dizer que tinha acabado de sair do banho. Minha sorte é que era final de semana e eu não teria que passar tanto tempo assim com alguém para a pessoa perceber que em algum momento meu cabelo teria que secar. Resolvi esse problema lavando o cabelo novamente e ficando com o cabelo brilhoso e maravilhoso.

O segundo passo da saga ruiva foi aplicar sozinha um tonalizante no cabelo. Como na hora não tinha luva pintei sem ela mesmo e foi uma escolha bem estúpida a se fazer, visto que fiquei com a mão bizarramente laranja por um tempo. Além da mão laranja, graças a minha incrível habilidade em pintar cabelo, ele ficou todo manchado. CUÉÉM. Eu estava cansada, apenas respirei fundo e aceitei aquilo. As pessoas iriam pensar que eu era cool.

Novamente o cabelo desbotou e marquei hora na cabeleireira DE NOVO. Depois do meu fracasso com o tonalizante eu não seria louca em tentar pintar o cabelo sozinha, ainda mais com tinta de verdadinha. Fui para o salão e dessa vez os pássaros cantaram, apareceu um coral de anjos, o nível do Cantareira subiu e eu fiquei ruiva.

Não que meu cabelo tivesse se igualado e eu tivesse ficado como a Jessica Rabbit (ruiva, não peituda), mas o vermelho-alaranjado tava lá. O loiro ficou só um reflexo de longe. Escorreu uma lágrima de emoção, mas o encanto já começou a escorrer pelo ralo na primeira lavada do cabelo. Tô quase convocando a galera para uma roda de orações para que meu cabelo possa enfim aceitar o ruivo de vez.

Eu sei que essa não será a minha última merda capilar, mas eu espero que as coisas se ajeitem. Só queria um cabelo bonito, colorido, brilhoso, bem cuidado, que não me fizesse parecer uma louca ao acordar. E no resto do dia. É pedir muito?

Morena, loira, ruiva.. A mecha loira que eu fiz aos 10 anos? Er… não encontro fotos da época!

 

Anúncios

2 comentários sobre “Das merdas mudanças capilares ao longo da vida

  1. Oi Luana! haha, tô rindo do seu post, mas tô solidária com ele, ok?
    Já fiz n loucuras capilares, te entendo bem!
    Só posso dizer que seu cabelo tá bonito em todas as versões. Sobre a tinta sair rápido: invista em hidratações. Quando era ruiva, a tinta sempre ia pelo ralo (literalmente) pq eu não fazia nada no cabelo. Quando decidi me dedicar pra valer com as hidratações, nutrições e etc, meu ruivo durou muuuuito mais!

    Boa sorte!
    Um bj,
    Re

    • Comprei uma cacetada de cremes e deixei todos bem visíveis pra me lembrar que dinheiro não nasce em árvore e que é bom eu usar tudinho! Obrigada pela dica e pela solidariedade! ❤ Agora vai! 0/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s